Topo

Noel Rosa, a Fita Amarela e o malandro

Noel Rosa - Fita amarela - Conversa na Vila - Turi Collura

Noel Rosa, a Fita Amarela e o malandro

Por Turi Collura

Na letra de “Fita Amarela”, lançada em 1933, Noel Rosa se baseia em dualidades e antagonismos tais como vida/morte, catolicismo/candomblé, branco/preto, e faz exaltação às mulheres e à boemia.

Em sua produção artística, Noel Rosa teve, sem dúvida, uma relação muito profunda, bem como multifacetada, com o tema da malandragem, assunto que me parece uma de suas principais fontes de inspiração. O linguajar do malandro é cativante, por ser evasivo, polissêmico, estilizado. Ele nunca chama as coisas pelo que são, preferindo utilizar gírias para se comunicar.

 

Essa performance verbal lhe serve para manipular a discussão com o outro, tornando-a sempre a seu favor. É possível, se não provável, que Noel, atento às questões linguísticas, tenha observado a performance peculiar do linguajar do malandro, sendo inspirado por ela. Assim, uma característica marcante dos textos noelinos, a da ambiguidade da escrita, que carrega em si pontos de vista múltiplos e/ou antitéticos, poderia estar inspirada na própria malandragem.

Com proceder malandro, então, em seus textos Noel aparenta exaltar o malandro ao mesmo tempo em que parece querer levar o ouvinte/leitor a refletir sobre as consequências – às vezes com direito a uma leitura negativa – sociais de suas práticas.

O Poeta da Vila, como Noel Rosa era apelidado, era filho de uma família de classe média de Vila Isabel – um bairro do Rio de Janeiro em ascensão econômica – estudou em um colégio tradicional, o colégio São Bento. Mas Noel adorava a vida noturna, a boemia, a bebida e as mulheres. E por isso se encontra, segundo meu ponto de vista, em uma posição privilegiada para escrever sobre a malandragem de uma forma nova e mais ampla: ele conhece o morro e seus personagens, tem livre acesso a eles, frequenta os sambistas de lá – Cartola será seu grande amigo e parceiro, tanto de sambas assim como de noitadas e bebidas – e frequenta, também, os malandros, alguns dos quais são seus amigos.

Ao mesmo tempo, ele tem acesso às badaladas rádios da cidade, muito em voga naquele período, e, dada a sua condição social, tem, com muita probabilidade, a oportunidade de travar alguma forma de contato com as reflexões e as vertentes da corrente modernista, oriunda da Semana de Arte Moderna de 1922.

Entre muitas letras altamente interessantes produzidas por Noel e ligadas à malandragem, há uma que tem chamado a minha atenção, tanto por sua sagacidade, bem como por basear-se, copiosamente, em dualidades e antagonismos tais como vida/morte, catolicismo/candomblé, branco/preto, entre outros. Refiro-me à letra da canção “Fita amarela”, em que o discurso carnavalesco satiriza a morte, zomba dela:

“Quando eu morrer
Não quero choro nem vela,
Quero uma fita amarela
Gravada com o nome dela.
 

Se existe alma,
Se há outra encarnação
Eu queria que a mulata
Sapateasse no meu caixão
 

Não quero flores,
Nem coroa de espinho,
Só quero choro de flauta,
Violão e cavaquinho”

 

Podemos observar, nesses versos, um dualismo entre elementos do candomblé e do catolicismo: ao invés de choro e vela, que parecem próprios de um velório católico, o protagonista – um malandro – prefere uma “fita amarela”. Se a fita é, por si só, própria das oferendas do candomblé, a de cor amarela é própria de Oxum, orixá feminino, a deusa mais sensual e bela. E se o protagonista deseja ter, ao morrer, uma fita gravada com “o nome dela”, é possível que se trate propriamente do nome da deusa.

 

Encarnação

A “outra encarnação”, à qual se refere o “eu lírico”, é um conceito próprio de religiões reencarnacionistas, que me parece contraposta à “coroa de espinho”, própria do Cristo, e, portanto, do catolicismo. Enquanto os espinhos são sofrimento, a morte que o sujeito imagina e deseja para si é uma festa, uma orgia. O clima de festa do candomblé próprio dos morros, com a mulata que sapateia ao ritmo da música, da flauta, do violão e do cavaquinho, contrapõe seu dinamismo ao velório, e a morte imaginada pelo boêmio se transforma num carnaval. Eis que o dualismo religioso se entrelaça com outro: o entre a morte e a vida, essa última representada aqui pela festa. Trata-se de um dualismo tanto universal quanto antigo: é o dualismo entre Eros e Tânatos, que Sigmund Freud definiu, na psicanálise, respectivamente, a pulsão de vida e a pulsão de morte.

Desenvolvida na obra “Além do princípio do prazer”, a ideia de Freud, baseada nos conceitos do grego Empédocles, é a de que exista, em cada ser humano, um jogo constante entre a pulsão de vida, que estimula o crescimento da vida e sua realização – Eros, a pulsão sexual – e a pulsão de morte, que alimenta princípios destrutivos – Tânatos. Aos versos originais que compõem a letra, Noel acrescenta, logo depois, outros, também atravessados pelo dualismo vida e morte, que assim começam:

“Estou contente
Consolado por saber,
Que as morenas tão formosas
A terra um dia vai comer”

 

O sujeito está contente e consolado por saber que um dia as morenas formosas morrerão. Que consolo é esse, pela morte do outro? Observamos, então, o prazer na morte. Provavelmente, é morrendo que as morenas irão juntar-se novamente a ele e, assim, todos estarão novamente reunidos para a festa. A palavra “comer” remete novamente ao ato sexual: se não for ele, que seja a terra, então, a possuí-las com sua força poderosa. No dualismo candomblé/catolicismo exposto na letra, podemos ler, ainda, uma contraposição entre elementos das culturas branca e negra.

Podemos lembrar, a esse propósito, da letra da música “Filosofia”:

“O mundo me condena
E ninguém tem pena
Falando sempre mal do meu nome.
Deixando de saber
Se eu vou morrer de sede
Ou se vou morrer de fome.

[…]

Quanto a você
Da aristocracia
Que tem dinheiro
Mas não compra alegria,
Há de viver eternamente
Sendo escrava dessa gente
Que cultiva hipocrisia.”

 

Em “Filosofia”, o burguês preocupado cada vez mais com sua ascensão social desprezaria a figura do malandro, o qual, avesso ao trabalho, constituiria a imagem do fracasso, um peso morto, ou, mais ainda, um perigo para seu desenvolvimento.

Em “Fita amarela”, o burguês e a cultura branca poderiam ser representados, porque não, por sua religião predominante. Segundo uma visão católica, o destino do malandro, ao morrer, não será o paraíso, mas sim o inferno. E se é para ali que o malandro vai, que possa, então, continuar a ter a orgia e a festa.

 

O malandro da letra se compraz de ser um canalha, de ter vivido devendo a todos, de não ter nunca pago a ninguém. É no momento da morte que aparecem os herdeiros, os quais representam a continuidade da vida. A exaltação máxima do malandro da letra é não deixar nada para ninguém: nem para herdeiros – aliás, nem mesmo deixar herdeiros! – nem para credores. Ele nunca deu dinheiro aos outros, nem nunca dará. Assim procedem os versos restantes da letra:

“Não tenho herdeiros,
Não possuo um só vintém,
Eu vivi devendo a todos,
Mas não paguei a ninguém

 

Meus inimigos,
Que hoje falam mal de mim,
Vão dizer que nunca viram
Uma pessoa tão boa assim

 

Quero que o sol
Não visite o meu caixão
Para minha pobre alma
Não morrer de insolação”

 

Se o boêmio não quer que o sol visite seu caixão, é porque ele vive da noite. Mais uma vez, encontramos, aqui, a oposição sol = vida/morte. Nesse verso, Noel usa do nonsense humorístico, do surreal: o sol mataria sua pobre alma, que morreria de insolação – de fato, racionalmente, como seria possível o sol matar uma alma? Se, uma vez morto, a partir do momento do velório, quem morre vira santo – mais um elemento tomado pela religião católica – morto o malandro, até seus atuais inimigos passarão a dizer que “nunca viram /Uma pessoa tão boa assim”. Quem são esses inimigos? A burguesia, inimiga dos ideais boêmios? Afinal, parece-me que o desejo último do “eu lírico” é que o mundo que o condena possa redimi-lo.

Curiosidade

 

Em 2006 saiu o filme Noel, Poeta da Vila, drama biográfico dirigido por Ricardo van Steen. O filme é muito acessível (hoje se encontra no Netflix, por exemplo), vale a pena.

 

Para saber mais sobre o artista clique aqui

Comentários de Facebook
Turi Collura

Turi Collura é pianista, compositor, músico profissional. Atua como professor em Cursos de Pós-Graduação, em Conservatórios e Festivais de música pelo Brasil e no exterior. Formado na Itália em Disciplinas da Música (Bolonha) e na Escola de Jazz (Milão), é Mestre pela UFES, e Pós-graduado pela mesma Instituição. Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e Professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD (Improvisação, Piano Bossa Nova, Rítmica e Levadas Brasileiras para Piano), alguns dos quais publicados pela Editora Irmãos Vitale e com tradução em inglês. Ativo na cena musical como solista, músico de estúdio e arranjador, tem participado da gravação/produção de diversos discos. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” ganhou uma versão japonesa. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

Sem comentários

Deixe seu comentário