Topo

Como montar as tétrades, suas estruturas e cifras

Tétrades: composição, notação e cifras

Como montar as tétrades, suas estruturas e cifras

Por Turi Collura

Falamos, anteriormente, sobre as Tríades, suas estruturas e cifras.

 

A partir disso, estudamos as tétrades, as suas estruturas e suas cifras. Vamos logo ao vídeo que apresenta esse conteúdo:

Resumindo os conceitos apresentados no vídeo acima:

Adicionando um intervalo de 7a às tríades principais (aqui colocamos também a tríade sus4), obtemos acordes de 4 notas chamados tétrades. O intervalo de 7a utilizado é de três tipos:

Sétimas

Combinando as tríades principais com os tipos de 7a obtemos:

Tétrades: tipologias

(os conteúdos que apresento nesse post estão contidos nos meus cursos online de Harmonia e de Improvisação).

Tendo como referência a fundamental C, por exemplo, a tabela anterior fica composta assim: com os tipos de 7a obtemos:

Tipos de Tétrades: exemplos em Dó

Curso Online de Harmonia

 

Para TODOS os instrumentos. Quatro módulos progressivos que começam da base e chegam a conceitos avançados.

Com relação à tabela acima, observamos os seguintes pontos:

(*) A combinação da tríade maior com a 7a diminuta não ocorre. Essa última tem a mesma altura da 6a, seu equivalente enarmônico. O acorde pode se tornar, nesse caso, um C6. Mas, essa nota não será considerada uma 7a.

(**) Como no exemplo acima, a combinação da tríade menor com a 7a diminuta não ocorre. Essa última tem a mesma altura da 6a, seu equivalente enarmônico. O acorde pode se tornar, nesse caso, um Cm6. Mas, essa nota não será considerada uma 7a.

(***) A combinação da tríade diminuta com a 7a maior pode ser considerada uma alteração do acorde diminuto.

Tipos de Tétrades: exemplos em Dó

Curso Online de Improvisação

 

Curso, para TODOS os instrumentos. Do Pop ao Jazz, do Choro ao Blues, aprenda como funciona uma melodia.

Cifras e notação das tétrades

O sistema de cifras utilizado no âmbito da música popular não é universalmente padronizado. Existem algumas diferenças entre os diversos países, escolas ou editoras. Com o intuito de oferecer indicações úteis ao estudo, apresento, em seguida, as principais indicações e cifras frequentemente utilizadas nas partituras nacionais e internacionais.

As cifras das tétrades

(!) Observe que o símbolo Cº7 se apresenta, na tabela acima, em duas diferentes categorias de tétrades: a diminuta e a meio-diminuta. Infelizmente, não há uma unanimidade de escritas. No Brasil, essa simbologia não é usada.

Comentários de Facebook
Turi Collura

Turi Collura é pianista, compositor, músico profissional. Atua como professor em Cursos de Pós-Graduação, em Conservatórios e Festivais de música pelo Brasil e no exterior. Formado na Itália em Disciplinas da Música (Bolonha) e na Escola de Jazz (Milão), é Mestre pela UFES, e Pós-graduado pela mesma Instituição. Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e Professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD (Improvisação, Piano Bossa Nova, Rítmica e Levadas Brasileiras para Piano), alguns dos quais publicados pela Editora Irmãos Vitale e com tradução em inglês. Ativo na cena musical como solista, músico de estúdio e arranjador, tem participado da gravação/produção de diversos discos. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” ganhou uma versão japonesa. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

Sem comentários

Deixe seu comentário